Política

Mãe e filha, ambas atletas, festejam o Dia das Mães juntas em Portugal

0


Este domingo (10) é uma data especial para a imensa maioria das famílias brasileiras. É o dia de homenagear as mães. Mas, é claro que, pela importância do momento, os festejos não vão ficar restritos ao nosso país. Por exemplo, em Portugal, mesmo com a data já tendo sido comemorada na semana passada, conforme o calendário local, vai ter uma família brasileira fazendo festa. Na cidade de Cintra, a aproximadamente 40 quilômetros da capital Lisboa, os irmãos Lethícia e Lucas Lacerda vão homenagear mais uma vez a mãe Jane Karla. 

“Já ficamos bem juntinhos o dia todo na semana passada. Mas também vamos comemorar neste domingo. O bom é que podemos abraçar a minha mãe duas vezes”, comemora Lethícia. Nem mesmo a pandemia do novo coronavírus (covid-19) vai prejudicar o momento de afeto da família. “O máximo que podemos dar nessa situação é muito carinho e amor para ela. Vamos aproveitar para uma sessão de pipoca aqui em casa e fazer também algo bem gostoso para comermos e aproveitarmos o dia em família “, planeja a mesatenista (confira o histórico dela logo abaixo). 

Na Europa há dois anos, a família mantém a união. “Quando vim para Portugal, eles vieram comigo. Não conseguiria ficar aqui sem eles. A família é tudo de mais precioso que Deus me deu. Quase sempre festejamos o dia das mães juntos por aqui. Só não acontece quando estamos em competições. A Lethícia, desde muito pequena, adora fazer surpresas para mim, com desenhos e presentinhos. Já recebi até café na cama. Tudo muito fofinho. Ela é sempre muito carinhosa e amorosa comigo “, diz a orgulhosa mãe Jane Karla, atleta do tiro com arco em cadeira de rodas (veja trajetória abaixo).

Mãe coruja e atleta

O sexto lugar conquistado no Mundial da Holanda ano passado colocou Jane Karla na quarta edição dos Jogos Paralímpicos de Tóquio (Japão). Nas Olimpíadas de Pequim (2008) e de Londres (2012), Jane Karla  participou como mesatenista. Já na Rio 2016, ela disputou a modalidade Tiro com Arco.  

Além da mudança do calendário da Paralimpíada, a pandemia de covid-19 causou o cancelamento de três campeonatos previstos para esse ano, que seriam no  México, nos Estados Unidos e na República Tcheca. Mas isso não tirou a motivação de Jane Karla, de 44 anos. “A parada foi por uma causa muito maior. Proteger as pessoas. Estou tentando fazer o meu melhor para seguir treinando dentro das minhas possibilidades. A minha sala virou o nosso CT”, comenta a goiana, que teve poliomielite na infância. A doença comprometeu seu equilíbrio do corpo ao andar e afetou a força dos membros da atleta.

Jane Karla, atleta paralímpica do tiro com arco

Mesmo na pandemia, Jane Karla mantém o foco nas Paralimíadas de Tóquio treinando em casa – Alê Cabral/CPB/Direitos Reservados

 

Mesmo com o adiamento dos Jogos, o técnico Henrique Junqueira, da seleção brasileira da modalidade, acredita que brasileira pode fazer bonito em 2021. “A maioria dos atletas está na mesma situação que a Jane, treinando tiros na distância de cinco metros dentro de casa. Tivemos alguns prejuízos financeiros. A passagem já estava toda comprada para o México. Mas, na parte técnica, ela foi a primeira atleta do país no olímpico e no paralímpico a liderar o ranking mundial em 2019. É claro que ela tem capacidade de chegar lá de novo. É o nosso sonho”.

Não é otimismo exagerado. Entre 2019 e 2020, Jane Karla quebrou três vezes o recorde mundial da prova. A última foi em Nimes (França), quando fez 582 dos 600 pontos possíveis. E, é claro que a esperança dos bons resultados segue alta.  

Filha mesatenista

Lethícia Lacerda tem apenas 17 anos e o esporte correndo nas veias. Filha de Jane Karla, bicampeã parapan-americana no tênis de mesa em 2007 e 2011, além de medalhista de ouro no tiro com arco nos Jogos de Toronto, em 2015. “Ela me dá muita motivação. Principalmente, porque ela já participou disso tudo e é uma coisa que ela gosta muito. Acho que esse amor passou de mãe para filha”.

Desde muito jovem, a garota acompanha a mãe nas competições. “Não tinha como tomar outro caminho”.O único obstáculo que ela precisava transpor para começar a praticar tênis de mesa era chegar à altura da mesa. E isso aconteceu ainda aos sete anos de idade. “Desde muito nova, ela já queria jogar. E, quando conseguiu alcançar a mesa, o meu esposo começou a treiná-la”. lembra Jane.

O padastro Joachin Gogel, ex-técnico da seleção alemã de tênis de mesa, foi o professor da garota desde as primeiras raquetadas. Dos sete aos 12 anos, a jovem nascida em Goiânia (GO) participou de competições convencionais até que as dores no quadril começarem a lhe incomodar. “Os médicos não têm um diagnóstico certo, mas é uma deficiência congênita vinda do meu pai. Tenho desgaste no quadril e inflamação nas juntas, limitações para agachar, correr e pular. E a tendência é piorar ao longo dos anos. Mas, por não termos um diagnóstico correto, não sabemos se tem algum tratamento. Os médicos acreditam que é espondilite. Sinto ainda muitas dores. Meus joelhos incham demais, só que não consigo ficar parada. Aos poucos estou aprendendo a lidar com a dor”, revela Lethícia, que no paradesporto participa das competições entre as atletas das classes 8 e 10.

Lethícia Lacerda, mesatenista brasileira nos Jogos Parapan-Americanos de LIMA

A mesatenista Lethícia Lacerda faturou o bronze nos Jogos Parapan-Americanos de Lima, em 2019 – Douglas Magno / Exemplus / CPB / Direitos reservados

 

O principal sonho da jovem é estrear nos Jogos Paralímpicos já no ano que vem em Tóquio (Japão). E a realização desse sonho está mais próxima do que nunca. O caminho rumo ao Oriente começou no ano passado em Lima (Peru). Nos Jogos Parapan-Americanos, a jovem faturou a medalha de bronze, mesmo sendo a caçula da delegação brasileira. “Foi incrível. Além de ter a emoção da medalha e de participar dos jogos, ainda aproveitei muito a comida local e as atividades da Vila Parapan-americana. Joguei muito videogame”, se diverte ao lembrar. 

Depois disso, ela seguiu participando das etapas do circuito até o Mundial da Polônia, último torneio antes da pandemia de covid-19. Na última atualização do ranking, a brasileira lidera a lista das Américas da classe oito (as classes de 1 a 5 são para cadeirantes; de 6 a 10, para andantes. E, quanto maior for o número da classe, menor é o grau da deficiência). “Já estou quase lá. É só ter paciência e esperar a liberação da lista para a vaga ser minha” diz confiante. A orgulhosa mãe, que também está garantida em Tóquio (veja abaixo), festeja a excelente fase da filha. “Será lindo estarmos juntas lá em Tóquio “.

Agora, durante a pandemia, o desafio é adaptar a rotina de treinamentos. “Ficou um pouco difícil montarmos uma mesa aqui em casa porque o espaço é pequeno. Mas, a Lethícia não descuida da parte física. E eu estou em um cantinho aqui na sala de casa treinando também, bem perto dela” conta a mãe Jane Karla. “Assim que tudo voltar ao normal, não vou mais sair da mesa”, promete  Lethícia.

 



Site do Autor

Rádio MEC FM comemora 37 anos no ar neste domingo

Previous article

As pequenas supermães campeãs do mundo

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Política